Inspeção de engrenagens

Inspeção de engrenagens

A operação desenvolvida pela Polícia Civil contra servidores públicos da prefeitura de Limeira, com apoio do Gaeco, merece um olhar especial devido a sua singularidade. Afinal, não é todo dia que uma administração pública renuncia a sindicâncias internas para deixar as apurações com órgãos mais especializados porque, ao que tudo indica, algo muito grave aconteceu. A matéria, publicada hoje nesta Tribuna, detalha as razões do pedido de investigação feito pelo próprio Executivo, algo que pode envolver, em pouco tempo, outras pessoas que se beneficiaram do esquema fraudulento. Entretanto, além do fato em si, cumpre-se ressaltar a eficiência da secretaria de Negócios Jurídicos, que anunciou à Delegacia Seccional suas devidas suspeitas sobre práticas criminosas, com a instrução pertinente. Em particular, a atuação do atual secretário, Dr. Daniel de Campos, profissional dos mais experientes. Como observamos, o comum é acontecer exatamente o contrário, e aqui acrescentamos um ponto importante. Em Limeira, a prefeitura é certamente o maior órgão empregador; décadas atrás, quando as nossas grandes indústrias eram compostas por enormes quantias de colaboradores, a situação era inversa. E, diferente da iniciativa privada, que possui maior mobilidade do ponto de vista trabalhista, gerenciar não só o atendimento como o comportamento de milhares de servidores requer conhecimento, fiscalização e empenho, talvez nesta mesma ordem. Porque se a preferência de um consumidor determina a escolha de uma marca, o serviço público é estático e temos que nos socorrer dele sem escolha. Inclusive quando usamos ferramentas tecnológicas: alguém deve monitorá-las, aperfeiçoá-las e testá-las frequentemente, até pelos riscos que esse universo nos proporciona. O bom gerenciamento destas esferas, enfim, é o que se espera de um mandatário, e nos lembra, uma vez que nos aproximamos de um período eleitoral, o quanto as escolhas nas urnas são determinantes. Destas depende o conjunto da obra, o que explica, quando cargos diretivos são preenchidos por indicações políticas – e não pela qualidade do profissional – porque existem tantas gestões temerárias Brasil afora, o que não foi o caso de nossa cidade. Ou seja, alguém que deveria fiscalizar, acaba fiscalizado, para ser direto.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*