Fora de Expediente

Fora de Expediente

Antonio Claudio Bontorim
Redação
LIMEIRA
redacao@tribunadelimeira.com.br

Crime histórico
Rui Barbosa ficou célebre pelo seu conhecimento jurídico, cultura vasta e amplitude da visão de mundo, embora tenha sido responsável por nos privar de parte da história sobre a escravidão no Brasil, quando mandou queimar livros sobre o assunto, “para não manchar a história do Brasil”.

Dura realidade
É dele, que ganhou a alcunha de “Águia de Haia”, uma também não menos célebre frase: “de tanto ver triunfar as nulidades, …. haverá o dia em que o homem sentirá vergonha de sua própria honestidade”.

Atitude decente
Esse é um pensamento que faz com que muitos se destaquem, quando buscam agir dentro desse padrão de integridade, ou seja, quando optam por tomar atitudes que são esperadas. O deputado federal Miguel Lombardi (PL) votou a favor do fim dos supersalários do funcionalismo público.

E para explicar
Trata-se do Projeto de Lei 6726/16, do Senado Federal, que regulamenta quais tipos de pagamentos podem ficar de fora do teto do funcionalismo público, aplicando-se para servidores civis e militares, magistratura e detentores de mandato.

Merece aplauso
Acaba-se, assim, como o próprio deputado divulgou através de sua assessoria de imprensa, com os privilégios concedidos aos altos escalões da República.

A dura verdade
Mas a reflexão sobre isso é uma dura realidade: quando é preciso divulgar o óbvio, uma ação que deveria ser apenas uma obrigação, para que as pessoas entendam a máxima de Rui Barbosa.

Dá um espacinho
Estamos, no dia a dia, tão acostumados com o “jeitinho”, com a “carteirada”, o famoso “sabe com quem está falando?”, que temos que louvar a obrigação. Não deveria ser assim, mas infelizmente o é.

Super… o quê??
Para a maioria da população brasileira essa é uma situação que poucos vão entender. Principalmente porque nem o salário mínimo conhecem. Infelizmente!

Exemplo é atual
A mulher de César não basta ser honesta; deve parecer honesta, teria dito o ditador romano, Júlio César, exemplificando o que deve ser e o que precisa parecer.

Retorno? 15 dias
As sessões ordinárias na Câmara Municipal só voltam no dia 2 de agosto. Vereadores entram em recesso parlamentar, oficialmente, neste domingo, 18, como prevê o regimento interno e como mostrou a Tribuna de Limeira em matéria, na sua edição passada.

Trabalho segue
Os parlamentares, entretanto, continuam a atender em seus gabinetes, assim como o setor administrativo, que não para no recesso.

Brasinha, e só!
Já a CPI do Transporte Público, que quase pegou fogo, durante a votação do projeto que concedeu subsídio complementar de R$ 12 milhões – o Poder Executivo queria R$ 20 milhões – ao ônibus, parece ter apagado. Jogaram água na fervura dos vereadores da oposição.

Aqui nóis é nóis
Aliás, nos bastidores a rejeição do valor de R$ 20 milhões pedido pelo prefeito como subsídio ao transporte público, foi encarada como uma demarcação de território. “Ou faz o que a gente quer ou então não faremos o que você quer”. Foi o recado dado…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*