Editorial: Conhecer mais

Editorial: Conhecer mais

É inconcebível a técnicos da administração pública terem dificuldades, em tempos de digitalização avançada de documentos, sobre obras – antigas ou recentes – em acessar dados que deveriam ser considerados de extrema importância. Inclusive em relação a situações que possam provocar danos irreparáveis e até mesmo tragédias. Principalmente em se tratando daquelas que são imprescindíveis para o ir o vir, como grandes viadutos e pontes. Mais que isso, e em relação às mais antigas, esse conhecimento é de importância capital. Não é mais possível tentar tapar o sol com a peneira, esquivando-se de responsabilidades, mesmo aquelas que deveriam ter sido assumidas lá atrás. Até mesmo em tempo remoto.
O afundamento de um viaduto na capital paulista, no último dia 15 de novembro, e mais a queda da ponte Morandi, na Itália, em agosto passado, acenderam a luz amarela às administrações públicas, em se tratando dessas obras de arte. E é comum não ter disponibilidade de informações técnicas dessas áreas construídas, muito mais pelo seu tempo de vida (que nesse caso se torna fundamental), mas a omissão também é perigosa. No município de São Paulo, um projeto aprovado na Câmara, que foi vetado pelo ex-prefeito João Doria (PSDB), obrigava a colocação de placas indicativas de cada vistoria feita em viadutos e pontes, contendo informações técnicas e datas. Pode parecer estranho, mas é um indicativo importante, no sentido de manter sempre atualizadas as informações necessárias, para se evitar transtornos futuros.
Nesta edição, a Tribuna de Limeira traz matéria referente a essa situação, que mostra o mesmo problema. Em proporção diferente da capital paulista, o município possui pontes e viadutos mais antigos, cujas informações técnicas estão perdidas ou em algum ponto de um arquivo morto. Uma falha que vem de longe, mas que a qualquer momento pode desabar sobre a cabeça de quem está, de passagem pelo comando. Este será sempre o responsabilizado, a despeito da irresponsabilidade de seus antecessores.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*