Editorial

Editorial

Sem misturar estação

Em que pese as questões de interesse político, econômico e social, a verdade é que há um descompasso, hoje, em relação a vontade do brasileiro em assistir à Copa de Mundo de Futebol – este ano na Rússia – e a fiel torcida brasileira com a seleção canarinho. Esse descompasso fica por conta da pouca movimentação que há, por hora, com as cores nacionais, que estão tímidas ainda, embora a euforia dos torcedores deva vir com a estreia dos brasileiros neste domingo, 17, na cidade Rostov do Don. E a falta de expectativa, ou até mesmo a afirmação de muita gente que não pretende assistir aos jogos ou até mesmo torcer pelo Brasil, há uma gama de fanáticos que não aceita essa opção, partindo até mesmo para ofensas pessoais àqueles que ousam dizer o contrário.
A intolerância e o ódio chegaram, também, à torcida brasileira. Àquela que vai vestir o verde e amarelo e aquela mais preocupada em levar o seu dia a dia na realidade, embora no fundo, sempre vai dar uma espiadinha de canto de olho. É fácil acompanhar essa birra desnecessária e esse desrespeito mutuo entre os dois lados, a dos torcedores que vão parar – literalmente – para acompanhar os jogos e os que entendem como alienação essa torcida engajada. Não deveria haver, no esporte (embora o futebol hoje seja um grande e milionário negócio), segregação dessa natureza. E muito menos destempero de quem, de um lado ou de outro, fica xingando aqueles que não concordam com o pensamento predominante.
Aqui cabe um conhecido slogan das propagandas de bebidas alcoólicas: beba com moderação. Nesse caso, o indicado é torça com moderação, pensando também na realidade do dia seguinte. Em ambos os casos o exagero vai causar uma grande ressaca.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*