Editorial

Editorial

Limites e limites

A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) acertou em cheio no tema da Campanha da Fraternidade deste ano ao debater a violência social. Precisa no tema e no lema – Vós sois todos irmãos – espera-se da entidade que congrega o episcopado brasileiro e todo o clérigo católico, muito mais que um discurso bonito e afinado com a realidade atual do país, ações concretas que demonstrem o interesse em combater essa grave situação, que está nas ruas, nos lares e em todos os segmentos da sociedade, assombrando a população e provocando verdadeiras tragédias, vitimando dos mais jovens aos mais idosos e em todas as classes sociais.
A violência não se limita apenas às ações pontuais estampadas nas manchetes da mídia nacional e local, e nem se restringem ao uso da força e das armas. Ela está inserida num contexto social muito mais complexo, que avança sobre a dignidade humana, fazendo vítimas em qualquer lugar, quando o ser humano é açodado pelo preconceito e pela intolerância. O cidadão que abdica da sua condição de protagonista da defesa dos direitos de seus semelhantes para defender a pena de morte, a redução da maioridade penal, entre outras ações que incentivem agressões, físicas ou verbais, como condição de combater a violência, também é responsável por ela. E, às vezes, em maior escala que qualquer outro segmento.
A própria Igreja foi personagem ativo dessa violência, por anos a fio, por abusos sexuais contra menores, ocultados pelo seu alto escalão e que encontrou no Papa Francisco um dos seus mais árduos combatentes, abrindo essa triste realidade ao conhecimento público. Também ela, a Igreja, tem que se redimir de seus próprios atos. Os limites da violência devem ser os limites homem. Pois só ele pode combate-la e reduzi-la aos níveis mais baixos e suportáveis para toda a sociedade.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*