GÁS NATURAL: Limeira é a 14ª no consumo no Estado

GÁS NATURAL: Limeira é a 14ª no consumo no Estado

Antonio Claudio Bontorim
LIMEIRA
claudio.bontorim@tribunadelimeira.com.br

Limeira aparece no Anuário de Energéticos por Município no Estado de São Paulo 2017 (ano base 2016) como o 14º município no consumo de gás natural, ficando atrás de Piracicaba, 13º e Rio Claro, 12º, na região. O consumo na cidade representa 2,43% do consumo total no Estado. O anuário foi elaborado pela Secretaria Estadual de Energia e Mineração. No quesito gás natural, Limeira foi a pioneira a contar com o produto vindo do Gasoduto Brasil-Bolívia, com a primeira indústria – a extinta Cerâmica Batistella – a assinar contrato de fornecimento. O município é também o 15º em consumo de derivados de petróleo e etanol no Estado, ficando na região também atrás de Piracicaba, a 13ª.
Publicado recentemente, o relatório traz dados consolidados sobre as principais fontes de energia consumidas pelos 645 municípios paulistas, como a eletricidade, etanol, derivados de petróleo e gás natural, além das emissões de CO2 (dióxido de carbono) na atmosfera. Nesse quesito, responsável pela poluição ambiental, Limeira não aparece entre os primeiros. Das cidades próximas da região, Piracicaba aparece com 10º na emissão de CO2, representando 1,38% do total.
O anuário mostra também que os derivados de petróleo aparecem em primeiro lugar no índice de consumo, com 52%, seguido por energia elétrica, com 26%; gás natural, 11% e etanol, 11%.
Os energéticos estão divididos pelas áreas residencial, comercial, rural, industrial, iluminação pública, Poder Público, serviço público, automotivo, cogeração, termogeração e consumo próprio, dependo de cada tipo. Para chegar a fonte das energias, ou seja, os chamados energéticos, foram considerados aqueles que as concessionárias e agências reguladoras, como Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), por exemplo, disponibilizam, contendo informações discriminadas para cada insumo, além de concessionárias como a Comgás, Gás Brasiliano e Gás Natural Fenosa, também apresentados por números de consumidores por município. Os derivados de petróleo são divididos nas categorias gasolina automotiva e de aviação; óleo diesel; óleo combustível; querosene de aviação e iluminante; GLP (gás liquefeito de petróleo); coque de Petróleo e asfalto.
Segundo o anuário, “são identificados também os somatórios referentes aos consumos dos principais energéticos de cada um dos municípios pertencentes ao Estado em unidade de energia padronizada toe (tonelada de óleo equivalente)”. Além disso, o anuário ressalta que “o consumo de etanol anidro não foi computado em separado, uma vez que ele se está incorporado à gasolina automotiva, na proporção de 27% do total, sendo o volume restante constituído de gasolina pura”.

NÚMEROS
Em Limeira o consumo total de gás natural é de 122.277.469 m³ (metros cúbicos), representando 2,43% no Estado, com 2.197 consumidores em todos os segmentos. Já no que diz respeito aos derivados do petróleo, o consumo em Limeira é de 172.896 toneladas, o que corresponde a 0,8% em tonelada óleo equivalente (toe). De etanol foram consumidos 89.998.396 de litros, ou seja, 1,1%, totalizando 218.795 tonelada óleo equivalente, com 0,8 % do consumo estadual. De energia elétrica, com 124.874 domicílios no total, foram 1.338.973.543 kWh (quilowatts hora) em todos os segmentos.
Para o economista e professor do Isca Faculdades, Fábio Macedo, esses indicadores refletem a capacidade econômica do município, levando-se em consideração o consumo. “Na questão dos derivados de petróleo e etanol, é preciso fazer uma comparação com a frota de veículos e outros usos, mas o indicador é importante”, disse o professor.
Na questão do gás natural, de acordo com ele, a importância está que Limeira foi a pioneira no consumo, lembrando que além disso é uma fonte de energia limpa e foi incorporada no dia a dia do município. “Sem dúvida, reflete bastante na economia do município, uma vez que além de ser uma energia mais barata, agrega o valor ambiental”, afirmou.
Já sobre energia elétrica, Macedo lembrou que apesar de os domicílios industriais e comerciais, o que conta mesmo é o total de consumidores. “Ou seja, entre os municípios paulistas há cidades maiores que Limeira, que com certeza consumirão muito mais energia elétrica, devido justamente a esse número maior de consumidores”, explicou.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*