Um lembrete. E é antigo…

Passados praticamente os primeiros dois meses da administração Mário Botion (PSD) já dá para fazer algumas cobranças sobre setores que sempre foram problemáticos no município. E o trânsito é um deles, em especial com relação ao funcionamento dos semáforos. Já escaldado de críticas, pela passagem em outros governos, o secretário da Mobilidade Urbana, Rodrigo Oliveira, deve conhecer bem os problemas, que não são poucos, que afetam o fluxo do tráfego, principalmente, na região central e em horários de pico, devido a falta de sincronismo de um semáforo para outro, o que breca a fluidez dos veículos, muitas vezes causando caos desnecessário, irritando profundamente os motoristas. Muitos dos quais têm culpa também, porque demoram no sinal aberto.
Sempre critiquei, em meus artigos e colunas, essa ineficiência dos sinais luminosos de trânsito em Limeira. Vem de anos e já passou por vários secretários e tudo continua na mesma. O serviço de controle e manutenção desses sinais, como se sabe, é terceirizado (é a mesma empresa há algum tempo), e não dá para entender porque até agora não se conseguiu solucionar o problema. Não sou técnico e nem especialista no assunto – se fosse, não estaria escrevendo sobre isso – mas acredito que haja uma solução. Os exemplos estão bem próximos de nós. Basta dar um passeio por Piracicaba, Americana, Campinas (apesar de ter um trânsito complicado também), São Carlos, entre outras, para ver que é possível, sim, resolver a questão. Ou, então, Limeira tem uma característica que nenhuma outra cidade tem. E precisa ser explicada, para que possamos entender essa deficiência.
Se a empresa responsável não está dando conta de resolver o problema, troque-se a empresa. Ou, então, que haja do Poder Público para com a prestadora de serviços uma cobrança mais dura, dando prazos para a resolução dessa precariedade. Ninguém aguenta mais o sinal do cruzamento subsequente abrir antes que o do imediatamente anterior. Não deveria ser o contrário, ou seja, um sinal verde aberto em cascata, ou como se costuma dizer, uma onda verde? Bem, apesar de poucos mais de sessenta dias do novo governo, um tempo curto ainda, é a vontade política e a cobrança da sociedade que movem a administração pública. Pelo menos nesse sentido, não quero passar mais quatro anos tendo que voltar ao assunto, que é recorrente de muito tempo. Vale lembrar que entre o sinal verde e o vermelho há o amarelo. Que é o da paciência.