Preço da excelência

Preço da excelência

Matéria da última edição desta Tribuna, que mostra que dos 22.310 mil servidores afastados por motivos de saúde na Prefeitura de Limeira ao longo de 2016, 13.113 mil são trabalhadores ligados à Secretaria de Educação, ou seja, 58,77% do total, levanta uma questão: até que ponto a qualidade dos serviços oferecidos na educação do município podem afetar a saúde dos servidores (professores, monitores e outros profissionais, muitos afastados com diagnósticos psiquiátricos)?
Com problemas pontuais, como a falta de vagas em creches – matéria de setembro de 2016 da Tribuna mostrava um déficit 1,8 mil vagas na cidade –, os serviços oferecidos nas creches e nas escolas municipais sempre receberam boa avaliação da população. Exceção no governo Silvio Félix (PDT – 2005 a 2012), quando uma merenda de baixa qualidade era oferecida às crianças e escândalos de superfaturamento nas compras destes alimentos fizeram com que o MP (Ministério Público) movesse ação civil pública contra o prefeito cassado – que teve condenações em primeira e segunda instâncias.
O próprio diretor do Departamento de Gestão de Pessoas da Prefeitura de Limeira, Michel Araújo diz: “é natural da função, da exigência que se é cobrada de um professor, de um monitor no trabalho com crianças, entre outros servidores da área, que haja um enorme desgaste, resultando nesses afastamentos”. Baseado nisso, o que o Poder Público oferece a estes profissionais para suprir esse desgaste excessivo? Não seria necessária a contratação (através de concurso, é claro) de mais pessoas para atuar em uma secretaria como a de Educação?
Oferecer serviços públicos de qualidade à população é dever (ou pelo menos deveria ser) do Poder Público: dos municípios, do Estado e da União. Assim como oferecer condições adequadas e suporte para os profissionais que fazem a máquina pública funcionar, principalmente, os efetivos, técnicos e concursados que se prepararam para estar ali e não passam o dia navegando nas redes sociais sem nada produzir e ganhando altos salários.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*